Especificações Madeira

 

Madeira
 

Utilizar portas e janelas de madeira em seu projeto torna o ar de sua casa mais agradável, trazendo o campo e a sofisticação até sua casa, o que lhe dá uma ideia rústica.

O tipo de madeira utilizada, influência diretamente em sua durabilidade e resistência ao tempo, devendo ser escolhida espécies resistentes e fortes, para facilitar sua manutenção e aumentar sua durabilidade. O material de textura única, utilizado em portas e janelas, proporciona uma harmonia com telhados de vigamento exposto, e forros de madeira.

A utilização da madeira é uma exigência em projetos voltados às edificações. Deve-se dimensionar corretamente beirais e varandas como forma de proteger as aberturas da incidência de chuvas e raios solares, evitando o apodrecimento e branqueamento.

  • Vantagens
    Aspecto visual excelente, sofisticação dos ambientes, efeito rústico, excelente conforto térmico e acústico.
  • Desvantagens
    Ataques de pragas, chuva, raios solares, umidade e manutenção constante.

     

Cedro Arana


 

 

 

 

 

 

 

  • Nome científico: Cedrelinga Catenaeformis.
  • Família: Mimosaceae.
  • Nome Comercial: Cedrarana, cedro-branco, cedro arana, cedrorama, taperibá-açu, tornillo.
  • Origem: Encontrada em lugares úmidos e nas matas altas de terra firme nos Estados: Mato Grosso, Amazonas, Pará e municípios próximos. É encontrada no Peru e na Colômbia.
  • Características Morfológicas: Cerne cinza-rosado, pouco distinto do alburno mais claro. Possuem linhas vasculares escuras. Grã ondulada, textura grossa, cheiro desagradável quando úmida, porém é imperceptível quando seca.
  • Secagem: Sem a ocorrência de defeitos quando seca ao ar, sendo fácil e relativamente rápida em estufa.
  • Trabalhabilidade: Moderadamente fácil de serrar, aplainar, parafusar e pregar. Bom acabamento. Tratamento com vapor permite que peças sólidas sejam curvadas satisfatoriamente.
  • Durabilidade: Moderadamente resistente a fungos e insetos.
  • Usos: Marcenaria, carpintaria em geral, construção civil e naval, celulose e papel, móveis baratos, caixotaria, assoalhos, divisórias, paletes, barcos compensados, laminados, engradados e outros.

     

    Imbuia


     




     

 

 

 

 

  • Nome Científico: Ocotea porosa (Nees ex. Mart.). Barroso.
  • Família: Lauraceae.
  • Nome Comercial: Imbuia.
  • Origem: O material lenhoso para os estudos tecnológicos foi obtido no norte do Estado do Paraná.
  • Características Morfológicas: Madeira moderadamente pesada e dura ao corte, cerme extremamente variável, do pardo-amarelado ao pardo-acastanhado e do pardo-escura-acastanhado ao pardo-havana-claro, grã direita à revessa, textura média, cheiro característico, superfície irregular lustrosa, geralmente apresenta veios ou estrias paralelas.
  • Durabilidade:  Segundo observações práticas a respeito de sua utilização, é considerada resistente ao ataque de organismos xilófagos.
  • Usos: Por ser moderadamente pesada, de cor agradável e propriedades mecânicas médias, pode ser usada para móveis de luxo, folhas faqueadas decorativas, acabamentos internos, tábuas e tacos para assoalhos, marcos de portas venezianas, vigas caibros, ripas, entalhe, esquadrias, peças torneadas e instrumentos musicais;
     

Madeira de Pinus

 

 

 

 

 

  • Nome Científico: Pinus Taeda, Pinus Elliotti (espécies mais comuns) e Pinus Caribea.
  • Proveniência: América do Norte (pinus taeda e pinus elliotti). Tiveram maior plantio e crescimento nas regiões Sul e Sudeste.
  • Características: Árvores com altura entre 18 e 30 metros, com cerne e alburno indistintos pela cor, branco-amarelado, brilho moderado, densidade baixa, macia ao corte e com textura fina. Madeira de reflorestamento: substituiu, em grande parte, a extração de espécies nativas, como a Araucária. Árvore de rápido crescimento, sua plantação é feita em escala industrial para abastecer a crescente demanda da construção civil, indústria moveleira e de embalagens e marcenaria em geral.
  • Durabilidade natural: Se não for tratado, o pinus é suscetível ao ataque de fungos (emboloradores, manchadores e apodrecedores), cupins, brocas-de-madeira e perfuradores marinhos.
  • Uso: Extremamente versátil, é usada em construção civil (caixaria para concreto, rodapés, forros, lambris, pontaletes, andaimes), móveis standard e partes internas de móveis, chapas compensadas, lâminas decorativas, peças torneadas, bobinas e carretéis, embalagens, utensílios diversos como cabos de vassoura, palitos, pincéis, artigos esportivos, brinquedos;
     

Madeira de Eucalipto

 

 

 

 

 

 

 

  • Nome Científico: Eucalytpus Citriodora (espécie mais comum, embora haja outras).
  • Proveniência: Originário da Austrália, o Eucalipto foi trazido ao Brasil inicialmente para ornamentação.
  • Características: Madeira de cerne pardo e alburno branco-amarelado, sem brilho, de densidade alta e dura ao corte, com textura fina a média. Tem boas propriedades mecânicas e resistência ao impacto. Sua tonalidade clara permite uma grande amplitude de acabamentos, permitindo adequar à tonalidade final à decoração pretendida.
  •  Madeira de reflorestamento: Adapta-se com facilidade às condições climáticas e tem rápido crescimento. O Eucalipto faz parte de áreas reflorestadas. No replantio, práticas de melhoramento genético resultam na obtenção de uma madeira serrada com alta qualidade.
  • Durabilidade natural: Resistente ao apodrecimento e durável ao ataque de cupins, com baixa tendência a rachaduras.
  • Uso: Devido à sua resistência, é bastante usada em construção civil (postes, cruzetas, dormentes ferroviários, mourões, vigas, caibros, assoalhos), móveis standard, cabos de ferramentas;
     

Madeira de Angelim Pedra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Nome Científico: Hymenolobium Petraeum Ducke (espécie mais comum, embora haja outras).
  • Proveniência: Florestas de terra firme em toda a Amazônia brasileira.
  • Características: É uma árvore de enorme porte (até 50 metros de altura e diâmetro de até 2 metros), com casca caindo em lâminas que se acumulam ao redor do tronco. É uma madeira dura, com cerne castanho-avermelhado de aspecto fibroso, textura grosseira e superfície lisa ao tato, com manchas castanhas mais escuras devido à exsudação de óleo-resina.
  • Durabilidade natural: Madeira muito durável em relação a fungos apodrecedores; moderadamente resistente a brocas marinhas e resistentes a cupins-de-madeira-seca.
  • Uso: Devido à sua resistência, é bastante usada em marcenaria, construção civil (portas e janelas, dormentes, estacas, tacos de assoalhos, forros, lambris, vigamentos, esteios), carpintaria e construção naval;

Madeira de Itaúba

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Nome Científico: Mezilaurus Itauba.
  • Proveniência: Mato Grosso, Pará e no Norte, até as Guianas e Venezuela.
  • Características: Árvore alta com mais de 35 metros, diâmetro em torno de 1 metro, tronco reto, casca castanho avermelhada, fissurada, soltando-se em placas com 1,5 cm de espessura. Alburno bege contrastando com o cerne castanho oliva ou amarelado oliva quando recém-cortada, aspecto uniforme, textura média, lisa ao tato. Difícil de serrar (recomenda-se o uso de serras estelitadas), mas fácil de trabalhar (aplainar, pregar e aparafusar), recebendo excelente acabamento.
  • Durabilidade natural: Alta resistência ao ataque de fungos apodrecedores, cupins e fungos marinhos.
  • Uso: Construção civil (assoalhos, postes, pilares e dormentes, tacos, estrutura de pontes, cruzetas, vigas, caibros, tábuas, marcos de portas e janelas), carpintaria, implementos agrícolas, confecção de peças torneadas, construção naval;

Preenchimentos
 

  • Semi-sólidas

Com maior resistência estrutural, esse padrão conta com sarrafos longitudinais no seu interior. A disposição estratégica dos mesmos permite estabilidade nas superfícies. Geralmente, utilizadas em ambientes internos.

  • Vantagens: Portas leves, reduzindo o peso sobre as ferragens (dobradiças e fechaduras), desta maneira aumenta-se a vida útil do conjunto.
     menor movimentação durante diferentes estações do ano, como: épocas secas e úmidas.
  • Desvantagens: Baixa resistência mecânica contra arrombamentos e a umidade direta.

 

Indicação: Para ambientes internos e secos, como quartos ou áreas de circulação.
 

  • Sólidas

Feitas de ripas presas umas ao lado das outras sem espaços vazios com uma lamina dando o acabamento.

 

  • Vantagens: Ótima resistência mecânica contra arrombamentos, menor movimentação durantes diferentes estações do ano como épocas secas e úmidas.

 

  • Desvantagens: Peso maior sobre as ferragens que devem ser devidamente dimensionadas, baixa resistência à umidade direta.

 

Indicação: Para o acesso a ambientes externos protegidos de chuva ou de umidade direta.

  • Maciças

 

Feitas de folhas de madeiras inteiriças, certificada pelo IBAMA. As madeiras maciças são mais resistentes a danos, como arranhões e furos, que dão até pra recuperar de um jeito bem simples, usando lixa e verniz.

 

Essa madeira também resiste melhor à umidade, por isso pode ser usada em áreas externas, que ficam expostas à chuva e sol. Se for bem cuidado, as portas podem durar mais de 100 anos e passar de geração em geração.

 

  • Vantagens: Aspecto robusto e forte, ótima resistência mecânica contra arrombamentos, boa resistência à umidade leve, como: chuva e sol, sendo facilmente resolvida com aplicação de um verniz correto e à devida manutenção.

 

  • Desvantagens: Pesadas. As ferragens devem ser devidamente dimensionadas.

 

 

Indicação: Portas utilizadas para a entrada. Aspecto mais sofisticado e rústico. Possibilita o contato constante com sol e chuva, desde que seja aplicada a manutenção nas mesmas, de tempo em tempo.
Se utilizar dentro da indicação correta, terá uma durabilidade maior, economia e ficará seguro.

 

Tipos de Pintura

 

  • Acabada

Já possui pintura final, basta instalar. Muito prática e evite custos extras com pintor e tinta.

  • Melamínico
    Acabamento de película decorativa impregnada com resinas melamínicas. A porta já vem pronta para uso. A resina cria uma grande proteção e resistência.

  • Primer
    Pintura de fundo preparatório. É necessário dar uma ou duas demãos de tinta para que sua porta fique pronta para uso.

  • Sem pintura
    É preciso aplicar verniz ou uma pintura de fundo Primer.

Fechadura Conforme Ambiente

 

  • Ambientes Externos

As tranquetas das fechaduras devem ter mais segurança.

  • Ambientes Internos

São utilizadas tranquetas e fechaduras com menor segurança, apenas por privacidade.

  • W.C.

A tranqueta da fechadura será sempre interna e fixa.

 

Modelos

 

  • Espelho (peça contínua).


 

  • Roseta (cilindro e fechadura separados).


Escolha a que mais combina com a sua casa!

 

 

Como e quando aplicar verniz, stain, tinta, seladora, massa ou fundo na madeira?

Para madeira, o acabamento protege, personaliza e prolonga a vida útil do seu projeto. O problema é que nem sempre é fácil escolher qual acabamento aplicar na sua situação específica, não é mesmo? 

 

  • Principais funções do acabamento para madeira

 

  • Proteção: Aumenta a proteção do seu projeto contra agentes, como: fungos, poeira, ação do sol e a famosa umidade.
  • Personalização: Toque pessoal ao projeto.

 

  • Principais técnicas a serem usadas que variam de situação para situação.

 

  • Preparação

 

  • Por questão de segurança, utilize luvas e máscaras na hora do lixamento e quando for aplicar o acabamento. É necessário para evitar danos que podem ser causados à sua saúde.

 

  • Utilize jornais velhos, pedaços de papelão ou restos de panos velhos para proteger o chão e as paredes.

 

 

  • Tenha as ferramentas necessárias para o serviço de acabamento.

 

  • Lixamento

 

  • Aplicações:
  • Quando quiser nivelar uma peça irregular;
  • Na preparação da madeira para receber camadas de acabamento;
  • Entre as demãos ou na finalização do trabalho após aplicação dos acabamentos;

 

Observação: Compre lixas para madeira, ou seja, que tenham sua granulação de 16 a 3.000 cm². Quanto maior o número da lixa, maior será a quantidade de grãos que são mais finos.

 

  • Para nivelar uma peça com maiores irregularidades, utilize uma lixa grossa de 60 a 100 cm².
  • Entre as demãos da pintura e para nivelar a massa, utilize uma lixa média de 120 a 220 cm².
  • No acabamento final, após a pintura ou verniz, utilize uma lixa bem fina acima de 320 cm².

 

O lixamento pode ser feito manualmente ou com uma lixadeira. Para trabalhos mais complicados comece com uma lixa grossa (de baixa numeração) e siga utilizando lixas mais finas. Faça movimentos de maneira suave, sem colocar muita força contra a peça. Para MDF ou compensado, faça movimentos circulares, já para madeiras naturais, siga o sentido do veio da madeira.

 

Ao final do trabalho remova completamente o pó da madeira usando um pano úmido.

 

  • Acabamento de acordo com sua escolha:

 

  • Acabamento em tinta: Indicado para quem precisa de proteção média, ou seja, proteção contra ação do ambiente, seja, por umidade, sol, poeira ou até mesmo fungos e também, quer personalizar o projeto.

 

  • Fundo Preparador: Proporciona certa proteção contra agentes externos à madeira. Em alguns casos mais simples, já é suficiente para proteger a peça.  Muitas vezes você consegue economizar uma ou mais demãos de tinta, e o resultado fica bem melhor.

 

Compre fundo preparador para madeira. Existem dois tipos básicos: à base de solvente e à base de água. É fundamental que o tipo da base deva ser o mesmo da tinta escolhida. O fundo à base de água tem menos cheiro, além disto, a limpeza das ferramentas de aplicação torna-se mais fácil.


Na aplicação, inicie no fundo com um pincel na parte dos cantos e detalhes do projeto. Utilize um rolo para aplique nas superfícies maiores. É possível também, a aplicação com uma pistola para pintura. Passe uma lixa de 150 ou 220 cm², para deixar a superfície mais lisa. Sempre verifique no rótulo da embalagem do produto, para descobrir os tempos de secagem e a diluição necessária.

 

  • Massa: Utilize quando quiser preencher imperfeições na madeira, como: buracos do parafuso e rachaduras. Recomendamos utilizar massa específica para madeira. É simples de aplicar e atenderá suas necessidades em grande parte das situações.


As massas para madeira são vendidas em variadas cores. Para o acabamento em tinta, a cor escolhida é indiferente.

Em projetos mais complexos, como: buracos maiores, você irá precisar de massa plástica ou de massa de poliéster, porém é recomendado estes dois últimos tipos de massa, caso tenha mais experiência em acabamentos.

Para aplicar a massa, utilize uma espátula ou desempenadeira, se a área for grande. Para pequenos buracos, use algum objeto pontiagudo, como um lápis, por exemplo, para empurrar a massa. Após um tempo, a massa irá secar e encolher. Portanto, garanta uma aplicação um pouco mais alta que a superfície da madeira. Feito isto, utilize a lixa média/fina de 120 à 360 cm².

 

  • Tinta: É recomendado a utilização da tinta esmalte para a madeira. Existem dois tipos: esmalte à base de solvente que é barato e rende mais e o esmalte à base de água, que seca rápido, não tem odor forte e apresenta maior resistência a rachaduras e amarelecimento.

 

Em áreas maiores, utilize uma pistola de pintura, um rolo de espuma ou lã. Rolo de espuma é recomendado para tintas à base de solvente e rolos de lã para tintas à base de água. Para cantos e detalhes, utilize um pincel menor. Caso exista a necessidade de mais uma demão, espere secar e utilize uma lixa fina de 220 cm² antes da próxima aplicação.

 

Observação: Entre as demãos, deixe o rolo ou pincel descansando na água rala. Pode-se embrulhar também, em saco plástico bem fechado, impedindo a entrada de ar, assim a tinta não seca no rolo ou pincel.

 

 

  • Acabamento em verniz: Indicado para quem precisa de alta proteção contra ação do ambiente, ou seja, fungos, poeira, umidade e sol, e quer dar brilho à madeira. Normalmente usa-se verniz em madeira natural (crua), para preservar o aspecto rústico e original da peça​​.

 

  • Massa: A aplicação é semelhante à feita caso a escolha tivesse sido a tinta, porém as duas principais diferenças são de que a massa vem antes da seladora e a cor importa. Compre uma massa que tenha cor semelhante à madeira.

Observação: Utilize um pedaço menor ou escondido, de madeira para testar a tonalidade da massa antes da aplicação. Não se esqueça de deixar secar antes.

 

  • Seladora: Utilize sempre que for usar acabamento em verniz. Algumas marcas de verniz já oferecem a seladora em sua composição.
    Compre tinta seladora de madeira à base de água. Espalhe com um pincel ou bucha de estopa e espere secar por volta de 2 horas. Utilize uma lixa de 180 cm² para lixar. Dê pelo menos mais uma demão e lixe com uma lixa de 240 cm² após a secagem.

 

  • Verniz: Na hora da compra, verniz é o que não faltará. São diversas as opções para verniz. Tanto o verniz Poliuretano quanto o verniz Copal realçam as características naturais da madeira. Use o verniz tingidor se quiser mudar a cor natural da madeira. Alguns tipos, como o Marítimo, oferecem uma proteção ainda maior contra agentes do ambiente, como o caso da chuva e do sol.

    Aplique o verniz utilizando um rolo de espuma, pincel de cerdas macias ou pistola de aplicação. A quantidade de demãos necessárias normalmente varia de duas à três. Lembre-se de sempre esperar a secagem e lixar com uma lixa de 220 cm² entre as demãos.

 

  • Acabamento em Stain: O Stain é um produto chamado de “impregnante”, que entra nos veios da madeira e à protege contra umidade, cupins e fungos. É a solução preferida de arquitetos, para portas, janelas e móveis de madeira, que ficam expostas à sol e chuva.

    A vantagem deste tipo de acabamento é que em relação ao verniz, o Stain forma uma película de proteção por toda a peça (veios e superfície), garantindo que a proteção não perca a eficácia ao longo do tempo. Além disso, é uma opção muito interessante para preservar o aspecto natural da madeira.

    Existem dois tipos de Stain: O preservativo e o de acabamento. Para peças que ficarão em ambiente externo, o ideal é o preservativo, que deverá constar em sua embalagem um selo de registro do IBAMA que ateste sua ação fungicida. Contudo, é importante entender que o Stain tem ação menos eficaz em madeira como: a Grapia, Ipê, Cumaru e a Itaúba. Para essas madeiras, é interessante recorrer à tipos específicos de verniz.

    Para que o Stain seja aplicado e tenha boa ação na madeira, é importante que ela esteja crua, limpa e seca, com umidade inferior à 20%. Para peças de madeira que ficarão expostas ao sol e chuva, recomenda-se não utilizar o Stain Incolor, que se deteriorará rapidamente.

    Indicado para quem precisa de alta proteção contra ação do ambiente, ou seja, umidade, sol, poeira e fungos e quer dar brilho à madeira. Normalmente usa-se verniz com madeira natural, para preservar o aspecto rústico e original da peça​​.

    Cuidados complementares com peças externas de madeira

    Recomenda-se que o verniz ou Stain, seja reaplicado ao menos anualmente;

 

  • Anualmente;

Na reaplicação do verniz, será necessário descascar e lixar a aplicação anterior enquanto no Stain não há esta necessidade;


Nunca aplique produtos abrasivos ou cera nas peças com verniz ou Stain, já que isso poderá manchar a superfície da madeira. 

 

 

Instalação de Portas e Janelas de Madeira


A instalação do produto deve ser feita por mão de obra especializada como: carpinteiros, marceneiros ou pedreiros, que deverão aplicar o produto com cupinicidas e seladores, como forma de proteção da ação da água e insetos.

Os cuidados com a pintura são essenciais para a longevidade da madeira, por isso utilize selador, Stain e vernizes de boa procedência como forma de ampliar a longevidade, proteção e aspecto visual do material, devendo ser reaplicado frequentemente de ano a ano.

  • Espaço necessário: A largura das janelas varia entre 30 cm à 200 cm, já a altura varia entre 50 cm à 120 cm. É sempre necessário deixar em média 1,5 cm de sobra nas laterais e acima do vão para melhor manuseio e fixação.
  • Cuidados: Quando for utilizada a espuma expansiva, a janela de madeira deve estar devidamente travada, pois a pressão exercida pela espuma pode forçar o batente no sentido de fora para dentro da esquadria, formando uma “meia lua”, o que dificultará o funcionamento da janela. Após a instalação, é recomendável que se faça uma limpeza geral na janela de madeira, pois durante o processo, podem cair sujeiras nos frisos que influenciarão no funcionamento.
     
  • Vidro

As portas e janelas de madeira não possuem vidros, mas devem ser colocados após a instalação. Na substituição ou instalação dos vidros, use silicone entre o vidro e a baguete de madeira para que não ocorra infiltração de água ou ar e para evitar vibrações. Compre os vidros separadamente.

Solicite auxílio de um profissional para instalação dos vidros.

 

  • Pintura

As janelas de madeira são vendidas sem pintura. A pintura é extremamente importante, pois sem ela, podem ocorrer variações de cor e dimensões, além de trincas e empenamentos. Para que as janelas fiquem mais resistentes, é recomendado que se aplique pelo menos duas demãos de verniz ou tinta.
As janelas devem ser pintadas antes da instalação e é importante pintar tudo, inclusive as partes que ficam na parede, pois ajudará a conservar o produto por mais tempo.

 

Como instalar folha de porta

Antes de começar, certifique-se de que o batente esteja instalado. Tomando como referência, o lado de fora para dentro, determine o lado de abertura da porta. As dobradiças deverão ser instaladas deste mesmo lado.

Conforme as medidas da porta em relação ao vão de instalação. Se precisar, use uma plaina para ajustes. Certifique-se de ter realizado o acabamento desejado nas laterais da porta.

 

  • Marque a porta

Após verificar a largura da porta em relação ao vão, vire a porta e faça três marcações de maior comprimento, na lateral, do lado que você deseja colocar as dobradiças. Meça 20 cm de cada extremidade e marque. Faça uma terceira marcação no centro.

 

 

  • Posicione as dobradiças
    Coloque as duas dobradiças das extremidades dentro das marcações e a do meio em cima da marcação central. Marque o contorno das dobradiças na lateral da porta, deixando o pino para fora.

 

 

  • Faça os rebaixos na porta

Com o formão e o martelo, faça os rebaixos dentro da linha do contorno de cada dobradiça. A profundidade desses rebaixos devem ter a espessura das dobradiças a serem fixadas.

 

  • Fixe as dobradiças na porta

Coloque as dobradiças nos locais rebaixados, sempre com o pino voltado para fora. Fixe-as com os parafusos.


 

 

  • Marque os batentes

Encaixe a porta no vão do batente com os pinos das dobradiças para dentro do ambiente. Com apoio de calços, centralize as porta no vão, deixando uma folga igual de 2 mm à 5 mm em todas as laterais. Em seguida, faça o contorno das dobradiças no batente.

 

  • Faça os rebaixo no batente

Tire a porta do vão. Transfira as marcações feitas no passo 5 para a parte interna do batente. Agora, com o formão e o martelo, faça os rebaixos no batente, dentro das marcações. Certifique-se de que as profundidades dos rebaixos, estejam de acordo com a espessura das dobradiças.


 

 

  • Fixe as dobradiças no batente

Posicione novamente a porta no vão com a ajuda do calço, mantendo-a aberta, e coloque as dobradiças nos locais rebaixados. Em seguida, fixe-as no batente com os parafusos.

 

  • Finalize

Faça o acabamento desejado na porta, com verniz ou pintura. Instale a fechadura e coloque a guarnição.

Fontes:

https://www.santosmadeiras.com.br/ficha-tecnica-as-madeiras-mais-comuns/

http://www.saviomadeiras.com.br/index.php?meio=preservacao

https://www.montevocemesmo.com.br/single-post/2015/11/02/Como-e-quando-aplicar-Verniz-Tinta-Seladora-Massa-ou-Fundo-na-Madeira-1

http://www.mabelportasejanelas.com.br/dicas-instalacao-portas-janelas.html

 

 


 

 

 

Pague com
  • PagHiper
  • Mercado Pago
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos

Renato Andrade Sá Esquadrias - ME - CNPJ: 24.423.606/0001-06 © Todos os direitos reservados. 2018